Turismo cresce 10% em Abu Dhabi, Dubai e RAK

por redação (com informações ANBA - Agência de Notícias Brasil-Árabe* - Etihad Airways - Agoda.com)
Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos - Imagens: reprodução/divulgação

Jacytan Melo Travel and Tourism - Abu Dhabi – Os emirados de Abu Dhabi, Dubai e Ras Al Khaimah
receberam 9,9% mais turistas no primeiro semestre de 2017, comparado com o mesmo período do ano passado (2016), segundo informações da Emirates News Agency (WAM), com base em estatísticas divulgadas pelo Banco Central dos Emirados Árabes Unidos, que monitora as atividades de diversos setores da economia do país.

Encontre hotéis em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos >

Em Dubai (foto), o aumento do número de turistas de janeiro a junho chegou a 10,9%, enquanto em Abu Dhabi o avanço foi de 7,2% e em Ras Al Khaimah a alta chegou a 6,5%, sempre comparando a igual período de 2016.

Encontre hotéis em Dubai, Emirados Árabes Unidos >

Nos primeiros seis meses do ano, cresceram também 5% o período médio de permanência por hóspedes e 1% a taxa de ocupação hoteleira nos três emirados. Segundo a WAM, isso reflete a atratividade destes destinos para o turismo internacional.

O volume de turistas russos, chineses, indianos e filipinos foi destaque no período, embora a WAM ressalte que todas as principais nacionalidades registraram crescimento considerável no primeiro semestre.

Em Dubai, houve crescimento de 19% no número de turistas da região do Golfo, de 12% do Oriente Médio, 21% da Europa Ocidental e Estados Unidos e de 97,5% da Rússia. As visitas dos chineses foram 54,7% superiores no primeiro semestre.

No emirado de Abu Dhabi, o volume de turistas chineses avançou 55,4%. Os turistas filipinos cresceram 10,4%, enquanto os visitantes indianos superaram em 8% o volume do primeiro semestre de 2016, e os jordanianos, em 2,6%.

Encontre hotéis em Ras Al Khaimah, Emirados Árabes Unidos >

Ras Al Khaimah (foto) viu um aumento de 83,7% de turistas da Rússia, 223,2% da Polônia, 80% da China, 20,8% do Reino Unido, 21,7% da Índia, 20% dos Estados Unidos e 16,2% do Cazaquistão durante os seis primeiros meses do ano.